Forum Historiae 
Atilio Jorge Castelpoggi
Atilio Jorge Castelpoggi

Eu me interno na cidade do mistério
com gosto de eternidade.
Nela quero ocultar o passado ainda ignorando
a pálpebra do tempo que transporta os olhos
abertos da terra.
Assim saúdo com as mãos e as lágrimas aos que estão
partindo em seu eterno retorno.
Vejo seus rostos nas flores ou no voo do vento
ou nas sementes de uma ideia que reúne aos homens
ou nas bebidas que nos trazem a última paixão
ou no temor que às vezes enfraquece por não encontrar
outra saída
enquanto arrasto a dor e a alegria à maneira de um
largo rosário de folhas secas
e toco meu corpo como se tocasse a eternidade.

Eu me sinto a escrever e quero alcançar o esquecimento.
Acaso é o esquecimento a morte que passa?
Por que sempre a vida se nutre de abismo e eternas perguntas?

E se fosse verdade que estou vivendo?

 

“Apenas um cuidador de palavras”, 1995.


 

“Destino”
 
Estarei sempre a teu lado nas manhãs quando sai o
sol,
Estarei nos entardeceres em que o verde dos parques
faz-se abrigo da noite,
onde a noite se torna lugar de encontro para o destino
dos enamorados.
Estarei no meio da cidade que imprime gritos e
buzinas,
no meio da cidade calada à beira de um leito em
despedida,
entre as pessoas que indiferentes passam qual multidão
desconhecida,
nas lembranças, quando os pensamentos são rios grandes
correndo em direção ao passado,
no centro de uma lágrima pousada em teu nome,
no crescimento de teu corpo que tem uma linguagem
suspensa na altura onde nasce a vida,
entre o riso azul das cascatas de alguns dentes que
mordem o amor,
na desesperada tristeza de prantos reprimidos,
nas ondas selvagens que desatam as injustiças da
terra,
e no contorno de um amanhã melhor que avança
lentamente.
Nele estarei eu,
não te esqueças de esperar-me apertando teus grandes
corações como uma frente de amor interminável.
 
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
2


Partilhe esta Página

“A história me precede e se antecipa à minha reflexão. Pertenço à história antes de pertencer a mim mesmo”.

RICOEUR, Paul. Interpretação e ideologias. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora S.A., 1977, p. 39.

 

 

Follow me on Academia.edu